Em algum lugar entre 66kg e 87kg. 

Em algum lugar entre 66kg e 87kg. 

Uma menina rechonchuda de bochecha rosada que nasceu em São Paulo e que, aos sete anos de idade, já estava sentada na cadeira do consultório do pediatra ouvindo sobre a sua primeira dieta. A primeira de muitas.

Erika 7(1).png

Dieta #1

Naquele dia ela foi para casa sabendo que não poderia mais comer doces ou salgadinhos, e que banana, laranja e uva também estavam proibidos. A menina ainda não entendia muito bem o porquê das restrições, mas estava decidida a seguir as regras até a consulta seguinte. Infelizmente, a dieta só durou três dias; mas sua mãe estava confiante de que os quilos extras iriam embora quando ela crescesse. Não foram.

E a menina rechonchuda cresceu.

Dieta #2

A segunda dieta aconteceu aos 14 anos. Naquela idade ela já notava ser maior do que as amigas, mas o fato de os meninos mostrarem mais interesse pelas amigas do que por ela, era o que mais a incomodava. Mas naquele verão ela decidiu mudar a sua vida para sempre - ela seria magra.

Com porções minúsculas de comida  preparadas sem sal e sem óleo, e muita atividade física, ela foi de 72kg para 65kg. O resultado foi incrível, e ela sentiu pela primeira vez na vida o que era estar magra.  Ela estava apenas a alguns quilos da perfeição e nunca mais seria gorda.  Com porções minúsculas de comida  preparadas sem sal e sem óleo, e muita atividade física, ela foi de 72kg para 65kg. O resultado foi incrível, e ela sentiu pela primeira vez na vida o que era estar magra.  Ela estava apenas a alguns quilos da perfeição e nunca mais seria gorda.  

Dieta #3

A terceira dieta foi aos 20 anos, quando morava em Recife. Depois de um salário e meio investidos em um pacote de emagrecimento, ela foi de 76 kg para 66 kg. Que vitória. Ela estava nas nuvens. O primeiro namorado apareceu e em alguns meses ela foi de 66 kg para 81 kg.

Dieta #4

A quarta dieta aconteceu após o fim do namoro aos 25 anos. De volta a São Paulo, concluindo a faculdade e pesando 87 kg, ela já não tinha mais coragem de usar calça jeans; apenas saia e calça social preta. Ela estava em frangalhos; sem autoestima, sem emprego, sem namoradoe de volta à casa dos pais. Mas era verão, e as circunstâncias pediam por mudança. A menina rechonchuda decidiu então que não seria uma mulher rechonchuda. Em três meses de caminhadas e comidinhas leves ela secou 10 kg.  e estava radiante em vestir um jeans 44. Mas ela queria mais; e seguiu firme na dieta até atingir os 73kg. Que sonho.

IMG_65301.png

Dieta #5

A quinta dieta foi aos 28 anos, com 85 kg. Depois de tanto engorda e emagrece, ela não havia perdido a esperança de ter uma relação normal com a comida. Ela tinha o emprego que amava, colegas que amava e uma vida social intensa, e foi lá que ela descobriu a corrida. E uma coisa foi levando à outra; e para correr mais, ela decidiu comer menos; e para comer menos, ela decidiu comer apenas proteínas; e assim foi. E, finalmente ela voltou a ver os 73kg na balança. Mas ela ainda queria alcançar a casa dos 60.

Realizada com a vida, ela se aventurou em um mochilão pela Europa e lá conheceu o holandês que, mais tarde, a pediria em casamento; o Matt.

Ao voltar para o Brasil, ela perdeu o emprego, descobriu que o pai estava doente, mudou de apartamento duas vezes, e voltou para a casa dos pais para cuidar do pai. A balança não demorou muito para registrar os velhos 85kg.

Dieta #6

A sexta dieta foi quando o Matt foi visitá-la no Brasil. Envergonhada em mostrar um corpo 12 kg mais pesado, ela se matriculou na academia, fechou a boca, investiu na drenagem linfática e atingiu os 77kg a tempo para o reencontro com o amado.

Eles viajaram juntos para a Bahia e ela voltou com 83kg.

Dieta #7

A sétima dieta foi já na Holanda, onde ela mora com o marido Matt. Com 29 anos e cansada dos 83kg, ela voltou a correr e seguiu uma dieta restritiva e, em um ano, alcançou os 66kg; a tão sonhada casa dos 60. Foi durante essa dieta que ela começou a ter frequentes episódios de compulsão alimentar. Depois de meses comendo compulsivamente e queimando as calorias ingeridas na academia, ela foi diagnosticada com Bulimia nervosa não purgativa. Ela se tratou, ela melhorou.

O que ela ainda não sabia é que a vida é cheia de surpresas, e que nem todas são agradáveis. E ao começar a trabalhar na Holanda, ela percebeu que o seu problema com a comida não estava totalmente resolvido.

Depois de muita procura ela achou o emprego dos sonhos, mas ao começar a trabalhar, o sonho virou pesadelo e ela se viu cercada de hostilidade, cinismo e desconfiança. Entre sessões de choros, total isolamento social e muita, mas muita comida, os 85 - 86kg não demoraram a aparecer.

Ela entendeu então que a dificuldade de se relacionar com o alimento não é algo reservado apenas a quem tem transtorno alimentar ou excesso de peso. Mulheres no mundo inteiro passam por isso e têm que viver todos os dias em um corpo que elas odeiam. 

Depois de muita leitura, observação, horas e horas de conversa com mulheres de todas as idades, nacionalidades e bagagens culturais, ela percebeu que não era a única. Ela foi descobrindo então estratégias de como lidar melhor com o alimento, com o corpo e com a vida.

Aquela menina sou eu, e aquele momento foi quando eu decidi parar e refletir, ao invés de começar uma nova dieta.

Deste momento de reflexão e autoconhecimento surgiu o Brigadeiro de Alface.


 

O blog é uma maneira que eu encontrei para ajudar outras mulheres a entender o que acontece quando a comida se torna um mecanismo de defesa e quando os padrões rígidos de beleza se tornam um mecanismo de controle.

 

Este é um espaço para você se libertar.