Você também compara o que come com o que os outros comem?

Eu como, tu comes, ela come, nós comemos. E comparamos!

Eu vou dividir algo com vocês muito pessoal e que me tirou o prazer à mesa por um bom tempo. Algo que muitas de nós fazemos de forma tão automática, que nem sequer nos damos conta - comparar o que comemos com o que outras pessoas ao nosso redor estão comendo. Será que sou a única?

Quando eu era mais nova, eu nem ligava muito para isso, mas ao começar a fazer dietas, adquiri um hábito que me custou anos de encanação. Eu passei a reparar o que as minhas amigas, familiares e colegas de trabalho colocavam no prato, e usava isto como parâmetro para avaliar o que eu estava comendo. Isso foi bem antes do advento do Instagram, food bloggers, foodies, e toda essa movimentação ao redor da comida.

No começo, eu achava completamente normal estar interessada no que os outros comiam ou deixavam de comer. Mas depois de um tempo, o meu inocente interesse começou a se transformar em avaliações e julgamentos sem fundamento algum. Eu avaliava o que os outros comiam, como comiam e quando comiam, e estendia a avaliação ao meu próprio prato: será que eu estava comendo demais? Será que os outros estavam comendo demais? Ou de menos?

Parecia que todo mundo estava comendo tão pouco!

Eu ainda me lembro de voltar para a casa depois de um jantar na casa de uma amiga me sentindo uma porca. Como é que eu conseguia comer tanto e ela tão pouco? Durante o jantar, eu havia enchido o meu prato de delícias e estava amando tudo aquilo, sem saber que a minha alegria estaria prestes a acabar. Depois de uma garfada, a minha amiga acomodou elegantemente os tallheres ao lado do prato, e reclamou estar satisfeita. Eu, que já estava planejando repetir o prato, até perdi a coragem de comer, mesmo ainda com o estômago metade preenchido e metade gritando por mais.

No caminho de volta para casa, ao invés de repensar o que havíamos conversado no jantar, eu fui me criticando por ter comido demais, por não ter sido educada em deixar um pouco de comida no prato (nem que fosse para fazer charme), por ser gorda, grande e gulosa. Eu estava com fome e continuei comendo até limpar o prato, e depois veio a sobremesa, e depois ainda tomei chá para acalmar a metade do estômago entristecida por não ter recebido a devida atenção.

Ela comia pouco e era magra. Eu comia muito e era gorda. Simples assim. O mundo parecia cruel e meu estômago desregulado.

Meses mais tarde, conversando com esta mesma amiga, falei das dificuldades que eu estava enfrentando ao tentar mudar os meus hábitos alimentares, falei da minha compulsão e da relação que eu tinha com o meu corpo - era o começo da minha jornada rumo a uma vida sem encanações. Foi quando eu descobri que eu não era a única: ela também achava que comia demais, ela também ficava comparando o que ela comia com o que os outros comiam, e ela também se sentia enorme por conta disso. Ela contou que comia escondido do marido antes da hora do jantar, para que conseguisse comer menos do que ele comia sem passar fome antes de ir para cama.

Ao ouvir a versão dela da história, ao invés de ficar aliviada, eu fiquei preocupada em saber que eu não era a única . Afinal, quantas de nós deixamos de comer para diminuir a culpa que sentimos em ter fome? Quantas de nós comemos escondidas temendo a represália alheia?

Com toda a minha curiosidade sobre o assunto, comecei a perguntar a todos amigos e conhecidos se eles também comparavam o que comiam com o que outras pessoas estavam comendo. Eu queria saber, mesmo partindo do meu universo limitado, se isso era comum, se era coisa de brasileiro, se era coisa de mulher ou se era coisa da minha cabeça.

Na minha pesquisa informal, eu descobri que comparar o que você come com o que os outros comem não é coisa da minha cabeça e, com certeza, não é privilégio dos brasileiros - todas as minhas amigas e conhecidas gringas também o fazem. Mas o mais curioso foi não ter encontrado nenhum homem que o fizesse. Será que a comparação alimentar seria coisa de mulher? Já que precisamos tanto de dados estatísticos, fica aí a dica para a próxima pesquisa científica. Eu estou curiosa para saber os resultados.

Mas enquanto a pesquisa não é feita e divulgada, há muito que podemos discutir por aqui. Se você também se frustra comparando a sua comida com a dos demais, no próximo post eu vou dar dicas de como se livrar deste mal. Até lá!