Quando o problema é não comer

Às vezes eu recebo uns depoimentos de vocês que me emocionam de verdade, e este da Blanka é um exemplo disso. Tudo que ela já passou e o aprendizado que tirou disso está sendo fundamental para enfrentar um dos maiores desafios que ela terá na vida - o câncer.

Com vocês, a Blanka: 

Anorexia

Pensei diversas vezes em te mandar essa mensagem, e a timidez sem vencia. Eu não sei nem seu nome, mas sei que a "brigadeiro de alface" me ajudou a sair da anorexia e depressão.

Ano passado neste mesmo mês eu estava com 33kg, e hoje tenho 50. Com a onda "fitness" por volta de 2012 eu fui aos poucos cortando os alimentos e, em 2015, só me permitia comer frango, salada e eventualmente fruta ou um iogurte desnatado.

Eu tomava café preto entupido de canela o dia inteiro pra emagrecer, enquanto me preparava pro vestibular no final do ano. O resultado foi o pior ano da minha vida com depressão, anorexia, dependência da minha mãe e sem amigos.

Por volta de setembro comecei a ler o BDA e adotar muitas das dicas. Eu ia em uma ótima psicóloga e um psiquiatra desde abril, mas só a partir de setembro comecei a me empenhar de verdade em melhorar.

Parecia antes que nada mais tinha graça, que ninguém era interessante. 

Meu psiquiatra avisou minha mãe que se emagrecesse mais um quilo ele iria me internar. Mas ela teve toda paciência do mundo pra esperar o meu tempo de melhorar.

Hoje estou outra pessoa, rodeada de amigos e com uma alegria que nada me abala.

Em janeiro minha mãe descobriu um câncer de pulmão. Tenho certeza que se não fosse essa pessoa forte que aprendi a ser depois que comecei a ler seu blog, teria me abalado muito. Mas tenho certeza que ela vai melhorar assim como eu melhorei. Continue sempre com esse trabalho lindo de inspirar pessoas a apreciarem a vida acima de qualquer corpo que tenham!

---

Blanka, obrigada pelas suas palavras e muita, mas muita força para você e para a sua família durante o tratamento da sua mãe. 

Para quem quiser dar um alô para a Blanka é só mandar um email para finokettiblanka@gmail.com.

Se você tem ou acha que tem um transtorno alimentar, não tenha medo ou vergonha de conversar com um familiar ou amigo. Tem muita gente passando por isso em silêncio. Procure ajuda de um profissional porque a cura é possível.