Páscoa sem ovo de chocolate é Páscoa?

A Páscoa ainda não chegou, mas já deu o ar das graças há tempos nas gôndolas de lojas e supermercados. Basta entrar para fazer compras, que já nos deparamos com uma parreira pendurada com ovos de todos os sabores, formatos e preços. Só de olhar para aquele céu colorido forrado de ovos de chocolate já salivamos. E isto é a Páscoa: é o cheirinho de chocolate no ar, é o barulho indiscreto do ovo sendo aberto, é sair em busca do ovo perfeito para os nossos amados.

Quanto mais chocolate melhor, não é mesmo?

Não. Páscoa não é sinônimo de chocolate. E por mais que eu adore abrir um ovo enorme e enfiar o meu rosto dentro dele só para sentir o cheirinho de perto, eu abri mão do ovo tradicional de chocolate há anos. Para ser mais precisa, há quatro anos. E tenho sobrevivido sem maiores efeitos colaterais.

O primeiro ano aconteceu meio que sem querer. Na correria, acabei esquecendo de comprar os ovos e, coincidentemente, não ganhei nenhum também. Nem preciso dizer que fiquei me sentindo péssima por não ter me organizado melhor, afinal Páscoa sem chocolate não era Páscoa. E nem adiantava vir com barra de chocolate, tinha que ser ovo e ponto.

Mas depois de ter sobrevivido à minha primeira Páscoa sem ovo, eu passei a ver essa época de maneira diferente. Pela primeira vez na vida, eu não estava sofrendo do período pós-páscoa, em que a culpa, o aumento de peso e a promessa de uma nova dieta ficavam me atormentando. Mesmo quando eu decidia me jogar nos chocolates e comer o quanto eu quisesse, mais cedo ou mais tarde eu estaria pensando em alguma maneira de compensar o abuso. O durante era doce, mas o depois sempre dava uma amargada.

Eu já li e recebi tanto conselho sobre a necessidade de se controlar quando o assunto é Páscoa: "coma apenas um pedacinho do ovo por dia", "guarde o ovo em um lugar que não seja visível", " dê preferência ao meio amargo". Mesmo sabendo de tudo isso, eu não conseguia ficar na primeira mordidinha quando o ovo estava ali aberto na minha frente.

Meus parabéns a todas que conseguem se controlar em comer apenas um pedacinho, mas a grande maioria de nós não consegue. E este post é para essa grande maioria que fica perdida na páscoa, sem saber como aproveitar o feriado e não se sentir péssima por ter aproveitado.

A Páscoa é um dos feriados mais importantes do Cristianismo. Nela é comemorada a ressurreição de Cristo com muita fé, amor e ovo. No começo, o ovo que é símbolo do renascimento, era apenas pintado e decorado, mas depois os pâtissiers franceses tiveram a grande idéia de rechear os ovos de galinha com chocolate. Pronto, aquele seria o começo do feriado de chocolate que conhecemos hoje. Culpem os franceses!

Mas como comemorar a ressureição participando de procissão, indo à igreja, rezando em casa ou pintando ovos não ajuda a movimentar a economia, os ovos de chocolate começaram a ser industrializados, e as decorações feitas à mão foram substituídas por embalagens barulhentas.

Daí vieram os ovos com sabores que copiam os chocolates populares que comemos no dia a dia. E depois os personagens simpáticos infantis também passaram a ornamentar os ovos para atrair a criançada. Daí surgiram os ovos diet, light, sem lactose, sem glúten. E hoje dá até para comprar ovo enriquecido com goji berry, chia ou recheado com balinhas de colágeno.

O que é que não fazemos para diminuir a culpa do consumo pecaminoso do chocolate, não é mesmo? Logo mais vai surgir o ovo de Páscoa que promete emagrecer. É só aguardar.

E no meio de tanta propaganda de ovo disso e ovo daquilo, o que ninguém quer propagar é que chocolate continua sendo chocolate, seja ele diet, light ou enriquecido. Eu sou a maior defensora do comer sem culpa e do comer por prazer, mas quando o assunto é chocolate, o meu prazer pode ser facilmente estendido ao ovo inteiro. E isto não é saudável para ninguém - com ou sem culpa.

Contar com a força de vontade nessas horas nem sempre dá certo, como eu havia explicado AQUI, e essa lição eu já aprendi. Por essa razão, e por estar cansada de acabar comendo muito mais do que eu gostaria, eu abri mão do ovo de chocolate. É claro que eu como chocolate na Páscoa, e de preferência o branco, mas eu dou preferência aos ovinhos pequenos, que também são super saborosos e são do tamanho ideal da minha vontade. Eu como sem encanação, sem culpa, e sem maiores consequências.

Hoje eu aproveito a Páscoa também de outras maneiras - fazendo passeios com a família, organizando refeições especiais, passando bastante tempo com o meu marido. Para quem tem criança na família, também é muito divertido pintar ovos de galinha e usá-los para decorar a casa ou escondê-los para brincar de caça ao ovo.

Páscoa é, afinal, muito mais do que chocolate. Aproveite a sua, sem moderação!