O que comer no café da manhã?

Se você também está perdida no meio de tanta informação, vem comigo!

Houve um tempo em que tomar café da manhã era uma tarefa simples: eu acordava, buscava pão na padaria, esquentava o leite, coava o café e a minha refeição já estava pronta. Era pão, manteiga, café com leite e, de vez em quando, frutas. Bem simples, bem básico e todo o dia a mesma coisa. Naquela época, eu nem sequer sabia o que era um carboidrato.

Até que eu resolvi perder uns quilinhos, e a nutricionista me recomendou substituir o leite comum pelo leite desnatado, e manteiga pela margarina light. Melhor ainda seria substituir a margarina por requeijão light ou queijo branco. O café deveria ser adoçado com adoçante, e eu sempre deveria consumir uma fruta, de preferência mamão. De repente, o meu café com leite ficou aguado, eu já não tinha mais a cremosidade da manteiga e o mamão, fora de época, só ajudava a amargar a minha experiência. Ainda bem que eu podia contar com o pão quentinho para derreter a margarina light insossa.

Eu ainda não sabia, mas em pouco tempo o meu pãozinho ganharia fama de vilão por conter muito sódio e poucas fibras e, assim, o último vestígio de um café da manhã tradicional paulista estaria banido completamente da minha alimentação. Estava aberta a temporada dos pães de forma industrializados integrais, sete grãos, nove grãos, light, e, acredite se quiser, zero! E o meu café da manhã perdeu completamente o gosto. Ficou aguado, sem a crocância do pão, sem sabores marcantes, sem gordura e sem sentido.

O leite, que não tinha mais gosto de leite, e o pão, que não tinha mais cheiro de pão, continuaram preenchendo o meu estômago todas as manhãs, até que eu li que cereais integrais eram ainda mais saudáveis que pão de forma. Não tive dúvidas e corri comprar os flocos de milho integrais no supermercado. Depois divulgaram a granola, e ainda teve a ração humana estampado a capa das revistas de dieta como o novo milagre alimentício.

Quando tudo parecia tranquilo, surgiram grupos defendendo que o leite de vaca não é saudável para humanos, e que deveríamos parar de consumí-lo. Lá se foi o meu leite aguado pelo ralo abaixo e, no lugar dele, enchi o armário de leite de soja. Quando estudos revelaram que o consumo de leite de soja poderia alterar o funcionamento da tireóide, comecei a me sentir um pouco perdida, sem opções. E daí surgiu o suco verde para me salvar da confusão.

Sentar à mesa já não era mais necessário com o suco verde, eu havia substituído comer uma refeição por tomar uma refeição - o que era bem estranho - mas o que é que a gente não faz pela saúde, não é mesmo? O problema é que depois de uma hora eu já estava de estômago roncando novamente. Eu não podia acreditar que a minha “refeição principal” do dia tinha sido reduzida a um copo!

Eu havia desaprendido a me alimentar, estava perdida, exausta de tanto procurar e ler sobre alimentação saudável e, sem me dar conta, o Google virou a minha mãe me dizendo o que e quando eu deveria comer. Isto tinha que parar. Eu estava dando ouvidos a todo mundo, mas esquecendo de ouvir o meu próprio corpo.

Crédito: aussiegall

Depois da campanha contra a cafeína, agora parece que o café voltou a ser saudável, e lembra do suco verde? Esquece. Se for feito com algumas frutas muito doce, como banana ou manga, vira uma bomba de carboidrato, segundo especialistas. Parece que agora bom mesmo é tomar café com óleo de coco, comer ovos, carnes, castanhas, e até alguns tipos de legumes e frutas, mas não todas! Tem também a opção de comer uma quantidade ilimitada de alimentos crus no café da manhã, pode até ser uma dúzia de bananas. Hum, parece promissor! Mas tem que ser apenas alimentos crus o dia inteirinho. Bem, com excessão de não precisar mais limpar o fogão, não vi maiores vantagens nessa dieta. E depois te tanto procurar alternativas, eu finalmente encontrei a resposta

Quer saber o que eu aprendi com tantas tentativas, leituras, visitas a profissionais e com a internet? Muita, mas muita coisa. E todo o conhecimento foi muito válido. Eu aprendi sobre macro e micronutrientes, que trocar manteiga por margarina light pode reduzir as calorias, mas aumenta significativamente a quantidade de aditivos químicos ingeridos. Eu aprendi que o pão integral industrializado tem uma lista tão gigante de ingredientes que seria melhor pararmos de chamá-lo de pão. Eu aprendi muitas receitas maravilhosas com todas as dietas, filosofias e estilos de alimentação que existem: raw, veganismo, paleo, ayurvedica, e muitas outras. Mas a minha maior lição foi aprender o que é melhor para mim.

O café da manhã ideal para você é você quem decide.

Crédito: Linh Nguyen

Vale a pena experimentar de tudo um pouco, passar com um nutricionista, ler bastante; mas no final, o mais importante é prestar atenção em como o nosso corpo e mente reagem a determinados alimentos. Ovos com bacon são deliciosos para algumas pessoas, mas são vilões para outras. Pão na chapa é proibido para muitos, mas é o café da manhã preferido de outros.

Tanto a nutrição quanto a medicina estão descobrindo novas verdades e mitos sobre a alimentação todos os dias, e estamos todos perdidos. A verdade de hoje pode virar o mito de amanhã: quem não conhece a história do ovo, de vilão a mocinho em uma década? Também não podemos esquecer que muitos estudos científicos são financiados pela indústria alimentícia ou pela indústria farmacêutica e, por isso, revelam evidências mais convenientes ao interesse dessas indústrias, então vale a pena um olhar mais crítico em relação às novidades do mercado da saúde.

O café da manhã mais saudável é aquele que te dá prazer e disposição para começar o dia com entusiasmo e energia. É aquele que não te estressa e que não estressa o seu corpo. Se é com chia ou sem lactose, é você quem decide.

Cada dia que vivemos é único. Nós somos únicos. Então por que padronizar o café da manhã?