Até onde postar foto de comida é normal?

Ah, o Instagram!

Eu quero ser a primeira aqui a confessar que eu também adoro postar uma foto de comida no Instagram. Melhor do que postar é ver aquelas delícias pulando na minha tela e enchendo a minha boca de água. Vira e mexe eu publico a foto de algum prato que seja bonito, especial ou que me faça feliz. Afinal, não dá para negar a felicidade real que um alimento pode nos proporcionar, principalmente quando dividido com pessoas queridas. Às vezes, o cheesecake é simplesmente perfeito demais para não ser fotografado. Basta um celular e um belo filtro para que um momento especial da vida seja registrado e compartilhado.

Transtorno Alimentar e Instagram

As redes sociais estão aí para isso mesmo, para dividir o que achamos interessante com aqueles que acompanham a nossa história. Mas o que acontece quando não conseguimos sentar para fazer uma refeição sem tirar uma foto antes, será que isso é normal?

Há várias contas no Instagram que postam fotos de comida todos os dias com dicas de receitas e informações relevantes sobre o prato. Há outras que funcionam mais como um diário alimentar, onde são postadas as refeições que a pessoa fez no dia e os quilos que ela já conseguiu emagrecer. Para os amantes da culinária, dá para encontrar os pratos gourmet mais incríveis do mundo, e para quem quer manter a linha, as opções de receita fit não faltam. Quando o assunto é comer, o repertório das mídias sociais é vasto.

Está no nosso DNA essa tendência de amar comer. Comida sempre nos fascinou e continuará fascinando, mas o fenômeno que estamos presenciando agora é muito interessante e merece a nossa atenção. Imagens de todos os tipos de alimentos estão invadindo as nossas vidas como nunca visto antes. Hoje eu consigo saber o que a minha celebridade favorita comeu no café da manhã e qual prato ela pediu no restaurante no jantar. Eu posso não saber como as coisas estão indo com a minha amiga do ensino médio, mas eu sei que ontem ela pediu um frappuccino na Starbucks.

O ato de comer era algo privado até poucos anos atrás, mas agora está globalizado. Você só está a um clique de distância do almoço da Bruna Marquezine e da Gwyneth Paltrow. Dá até para comentar o que você achou da escolha delas ou comparar o que elas têm comido com o que você andou comendo. E assim seguimos postando os nossos alimentos e admirando ou depreciando os alimentos dos outros.

É fato que a realidade agora mudou e que a troca de informações está cada vez mais presente (o que eu adoro!), mas chega o momento em que é preciso pensar se não estamos indo longe demais. A mania de fotografar o que comemos pode ser um sinal de que a maneira como lidamos com o alimento não é nada saudável; independente de quão saudável seja o alimento.

Supervalorização da comida

Nós só fotografamos aquilo que achamos importante. Algumas pessoas tiram foto do que estão comendo porque gostam, mas outras tiram foto porque a comida exerce um papel central na vida delas. Para o segundo grupo, as fotos só contribuem para uma relação cada vez mais problemática com o alimento. Comida é importante, mas não é o aspecto mais importante das nossas vidas. Tem comida que é fotogênica mesmo e merece ser compartilhada, mas é melhor dar uma maneirada nos clicks se você tem dificuldade de sentar num restaurante sem fotografar o que vai comer.

Comparação da comida

É impossível não ser influenciada pelo que vemos no Instagram ou em qualquer outra mídia social. Dia após dia, milhões de pessoas recebem mensagens de como comer, cozinhar, se vestir e se exercitar, e é preciso muita concentração para filtrar um pouco dessa informação toda que recebemos. Um dos filtros mais eficazes é tentar parar de comparar as comidas postadas na internet com aquela que você come em casa.

Quando a gente olha alguém com um corpo invejável postando o jantar fit perfeito, já assumimos que basta comer daquela forma para ter o mesmo corpo. Das duas uma: ou tentamos imitar aquela pessoa ou seguimos adiante com o nossa macarronada acompanhada com uma porção de culpa e a promessa de comer só salada no dia seguinte.

Não adianta, cada um tem um corpo e uma necessidade diferente, por mais que continuemos comparando ou tentando copiar a dieta um ou do outro, nunca teremos o corpo daquela pessoa. Cada um tem o seu próprio corpo.

E o detalhe mais importante de todos: ninguém posta aquilo que não gostaria que os outros vissem. As mídias sociais são apenas uma parcela da nossa vida, normalmente aquela mais bonita. Poucas pessoas estão dispostas a dividir com o mundo a comilança descontrolada do dia anterior ou o prato de arroz, feijão e ovo comido às pressas.

Eu uso o Instagram para muita coisa bacana e tiro várias inspirações de receitas de lá, mas é preciso olhar de maneira mais clara quais tendências contribuem para o nosso bem-estar e quais contribuem para a tensão que já existe ao redor do prato.