Foque no que você PODE fazer

Uma diferença essencial entre ser passiva ou ativa

Vamos jogar a real. A vida é cheia de surpresas e acontecimentos que nem sempre são agradáveis e sobre os quais nós não temos nenhum controle. É fácil então a gente se ver como vítima das circunstâncias achando que não há nada a fazer a respeito.

Bem, aí eu sou obrigada a discordar.

É verdade. Todos os dias acontecem coisas que estão fora do nosso controle. Não dá para controlar um chefe autoritário que te estressa diariamente te levando a comer as trufas que o colega oferece às 4 da tarde.

Não dá para controlar o namorado/marido faminto que se recusa a comer grelhado no jantar, te levando a fritar e comer os nuggets de frango que ele tanto gosta. Ou os filhos que sempre querem bolacha recheada e salgadinho no armário, testando a sua resistência e força de vontade dia após dia.

Para quem come emocionalmente, compulsivamente ou excessivamente, o que acontece à volta pode ser facilmente usado como a causa das escolhas alimentares.

Acredite ou não, cada vez que colocamos algo na nossa boca é uma escolha - consciente ou não. Mas é uma escolha.

O segredo está em saber a diferença entre o que você NÃO TEM controle e o que você TEM controle.

Você não controla o chefe, as preferências alimentares de familiares, os alimentos servidos na festa ou como as pessoas vão agir. Mas você tem uma enorme influência sobre como reagir a tudo isso.

Essencialmente, quando nos concentramos naquilo que não podemos controlar, como o que aconteceu ontem ou a correria do dia que não nos deixa tempo para cozinhar à noite, nós nos sentimos menos no controle das nossas escolhas e ficamos frustradas com isso. Estamos numa posição passiva ao que nos acontece.

Por outro lado, quando nos concentramos naquilo que podemos fazer a respeito da situação, nos sentimos emponderadas e confiante em fazer a melhor escolha. Estamos numa posição ativa ao que nos acontece.

Você pode não ter tempo para cozinhar à noite, mas você tem como preparar as refeições com antecedência no final de semana ou você pode dividir esta tarefa com alguém na sua casa ou você pode pagar alguém para cozinhar o jantar ou comprar a refeição de uma fonte confiável. Foque no que você pode fazer a respeito.

De repente, a sua família não compreende a dificuldade que você tem de lidar com certos alimentos em casa. Você pode ter uma ou muitas conversas francas com eles explicando porque você não quer ter esses alimentos no seu armário e qual a consequência disso. Você pode adaptar a sua compra do mês aos seus objetivos. Você pode envolver a família na sua busca por mais saúde sem extremismos. Lembre-se, a dificuldade em lidar com alguns alimentos é temporária; não significa que você nunca mais vai poder ver um pote de Nutella na sua frente. Foque no que você pode fazer a respeito.

Em cada situação eu quero que você se pergunte: o que eu posso fazer?