É mais do que vontade de comer

Ano passado passei um bom tempo sem postar aqui no blog. De um lado a vontade de escrever sobre a nossa mentalidade em relação à alimentação e corpo não estava proeminente, e de outro a minha falta de organização nos dias livres me deixava ocupada com outras coisas bem menos relevantes que o blog.

O maior motivo pela minha falta de concentração foram mudanças este ano que prefiro guardar para mim por enquanto mas quem sabe um dia conseguirei dividir, mas o outro motivo é simplesmente ignorar que comida continua sendo um ponto que precisa de atenção na minha vida. Eu simplesmente fingi que não era comigo nos últimos meses. O resultado? Dias ótimos e equilibrados de alimentação seguidos por idas ao supermercado depois do trabalho para uma barra de chocolate. Jantares e happy hours deliciosos com amigos seguidos por batata frita na estação de trem.

Eu não sei quanto à você mas eu percebo quando não estou comendo pelos motivos certos. O problema não é o chocolate ou a batata frita mas a maneira como os comi. Sabe aquela alimentação que não é para matar a vontade ou para saciar a fome? Então, essa mesmo.

Identificar esse tipo de alimentação é algo que eu faço rapidamente porque a minha experiência é de longa data, rs. Para quem está começando tem duas observações simples que vão indicar rapidamente se você está comendo por vontade de comer ou por alguma outra razão:

  1. Observe se está se alimentando de maneira estressada ou escondida. Quando nos alimentamos assim o nosso corpo fica tenso, os ombros comprimidos e o coração meio acelerado. Você sente uma excitação mais forte em comprar ou comer o alimento do que durante o almoço.

  2. Pergunte-se se você se sentiria confortável em comer o que está comendo na frente de conhecidos ou de comentar o quão saboroso estava o alimento a um amigo ou familiar. Se a resposta for não, há uma chance grande de você estar comendo emocionalmente.

Algo para se levar em consideração é que essas observações não se aplicam para quem não tem distúrbio alimentar. Pessoas com essa condição frequentemente associam alimentação a um momento estressante e também podem se sentir envergonhadas ou desconfortáveis de comer em público mesmo que estejam com fome. Da mesma forma, muitas pessoas obesas mesmo sem ter um transtorno alimentar se sentem envergonhadas em comer na presença de outros por conta do julgamento que sofrem.

Qualquer que seja a sua dificuldade, o primeiro passo é se observar e entender de onde vem o impulso quando você percebe que não é simplesmente vontade de comer.